sexta-feira, 18 de março de 2011

Trabalho de "Aula em Cadeia"

Espaço destinado a postagens de comentário a respeito do trabalho realizado em sala de aula.
Por meio de uma dinâmica de grupo intitulada "Aula em Cadeia" os alunos do 2º ano "A" e "B" (Ensino Médio), prepararam apresentação acerca dos seguintes temas:
- Administração Portuguesa e Igreja Católica;
- Economia Açucareira;
- Condições da Escravidão Africana.

9 comentários:

Isabela Pereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabela Pereira disse...

Alunas: Francieli, Isabela, Letícia, Mariélen e Nayara .

Série: 2° ano "A"
Tema: Administração portuguesa e Igreja católica





Mudanças Político-Administrativas



Mem de Sá ele foi governador-geral no período de 1558 a 1572, com a ajuda do chefe militar Estácio de Sá que era seu sobrinho.

As ações de Mem de Sá levaram à destruição de centenas de aldeias do litoral brasileiro no século XVI.

Tem duas tendências qu a história colonial do Brasil apresenta Centralização e descentralização.

A centralização era praticada quando a metrópole queria controlar e fiscalizar melhor a colônia. Já a descentralizaçãoera preferida quando a metrópole pretendia ocupar regiões despovoadas.

Assim, depois de praticar a centralização administrativa com os governos-gerais, o rei de Portugal resolveu dividir a administração do Brasil em dois governos:

·governo do Norte : com sede na cidade de Salvador, chefiadopelo conselheiro Luís de Brito de Almeida (1573-1578);

·governo do Sul : com sede na cidade do Rio de Janeiro, chafiado pelo desembargador Antônio Salema (1574-1578).





Catolicismo



Na época da colonizãção, a lei determinava que a religião oficial de Portugal era a católica, todos os portugueses tinham que ser católicos se não estariam sujeitos a perseguições.

Naquela época a igreja e o governo estavam ligados através do PADROADO : que foi o um acordo entre o papa e o rei, que apontava os deveres e direitos da coroa com a igreja.

Deveres :

· Garantir a expansão do catolicismo em todas as terras conquistadas pelos portugueses;

· Construir igrejas e cuidar de sau conservação;

· Enumerar os sacerdotes por seu trabalho religioso.

Direitos :

· Nomear bispos e dioceses;

· Recolher o dízimo ofertado pelos fiéis à igreja.



Presença da igreja



Houve vários momentos de conflitos entre padres e autoridades da coroa. Apesar disso, a igreja e o estado portugueses atuavam em harmonia.

Cabia as autoridades administrar a colônia:

exemplo: produção economicamente, povoamento, etc .

E para a igreja a tarefa de ensinar a obediência a Deus, defendendo o trono por meio do altar .

Isabela Pereira disse...

Alunos : Alison, Danilo, Felipe, Iago, Julio Cesar, Ananias .
2° ano "A"

Administração portuguesa e a Igreja católica
A administração colonial começou a ser implantada no Brasil a partir de 1534, quando o rei D. João III ordenou que Martim Afonso de Souza viajasse ao Brasil. A adoção do sistema de capitanias hereditárias foi resultado dessa viagem.
ü Capitanias Hereditárias:
O Brasil foi dividido em capitanias, que eram faixas de terras que iam do litoral brasileiro, até o meridiano do Tratado de Tordesilhas. Cada capitania era cedida a um capitão ou donatário através de dois documentos básicos:
1. A Carta de Doação: conferia aos donatários a posse hereditária das terras (os donatários não eram donos das
2. A Carta Foral: estabelecia o direito dos donatários.
Com exceção de São Vicente e Pernambuco , a maioria das capitanias fracassaram por várias razões, como: os ataques indígenas, a distancia em relação as Metrópoles e a alta de recursos financeiros.
ü Governo-Geral:
Com o fracasso das Capitanias Hereditárias, Portugal criou no Brasil um governo-geral; que tinha como objetivo a centralização do poder político dentro da colônia. Porém na pratica, essa idéia não deu certo.
A principal intenção da coroa portuguesa não era acabar com as capitanias, mas sim reduzir o poder dos donatários. O local que foi escolhido para ser a sede do governo-geral foi a Bahia, esse local foi escolhido porque oferecia uma maior vantagem administrativa: pois se situava num ponto médio do nosso litoral, que facilitava a comunicação com as demais capitanias.
O governo-geral contava com a ajuda de três auxiliares:
1. O ouvidor-mor: encarregado dos negócios da Justiça.
2. O provedor-mor: encarregado dos negócios financeiros.
3. O capitão-mor: encarregado de defesa do litoral.

O primeiro governador do Brasil foi Tomé de Souza, e trouxe com ele cerca de mil pessoas; sendo que dentre elas estavam seis jesuítas, que eram chefiados por Manuel da Nóbrega. Fundou a cidade de Salvador (1549), que se tornou a capital da colônia e foi instituído também o primeiro bispado.
Importou gado bovino da Ilha de Cabo Verde. Tomé de Souza procurou cumprir os cargos definidos pelo regimento (normas que regem o funcionamento de uma instituição ou entidade) da Coroa, que eram: catequizar os índios, explorar e descobrir terras no Sertão, organizar sistemas de recolhimento de impostos e criar a casa Alfandegária (uma espécie de ministério econômico).
Duarte da Costa foi o segundo governador-geral e substituiu Tomé de Souza no ano de 1553. E teve como meta lutar contra os franceses que havia se estabelecido no Rio de Janeiro.
Mem de Sá, o terceiro governador-geral (1558-1572), com o apoio dos jesuítas, aumentou o numero de indígenas catequizados e submeteu tribos que resistiam a sua autoridade. No governo de Mem de Sá os franceses foram expulsos e, em 1561, foi fundada a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro
Nesse período as capitanias hereditárias não foram extintas. Alias, uma das funções do governador era prestar assistência aos donatários.
Esse sistema durou até 1808, apesar de, em 1720, os governadores passarem a ser chamados de vice-reis.

*♥*Bruna disse...

Alunas:Bruna,Márcia,Hellen,Josiane,Jisele e Ingrid.
série:2ºano"A"

A mão-de-obra africana representou a base das atividades econômicas no Brsil colonial,como a produção de açúcar e a mineraçao além doa africanos trabalhar nos engenhos e nas minas eles também trabalhavam em cultivos agrícolas como nas partes do arroz,tabaco e algodão e na criação de animais no trasporte,no serviço doméstico e no comércio.
Mercado interno colonial:
O sentido principal da colonização foi seu caréter comercial, voltado para o "exterior":destinava-se a explorar os recursos do território colonial em proveito da metrópole portuguesa e do comércio europeu.Foi com essa motivação predominante que se organizaram a sociedade e a economia brasileira.

nana_tay15 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
nana_tay15 disse...

Alunos: Tainá,Natália,Jhonatan,Robismar,João Paulo e Andrei.

Economia Açucareira.

A Holanda foi a principal financiadora das construções de engenhos no Brasil, em troca conquistou parte do rico monopolio comercial de açúcar. Os portugueses dominavam a produção e os holandeses a comercialização.
Os engenhos eram sinonimo de riqueza e poder. Os senhores de engenho eram autoridades diante da sociedade açucareira.
As condições que os escravos viviam eram extremamente precárias, fica evidente que o tratamento de um escravo é igual a de um animal, eles chegavam a ser contados como os bois das fazendas.

Jhenyffer Andrade ;* disse...

Turma: 2° ano "A"
Alunos(as): Ada Gabriela,Daiane, Jhenyffer, Jhenny, Juscielly e José.
Tema: Condições da Escravidão Africana.

A escravidão é o grande sustentáculo do processo de colonização do continente americano, a partir do século XVI. Longe de se ater a uma forma homogênea de relação de trabalho, a escravidão foi marcada pelas mais diferentes caracterizações ao longo do período colonial.a utilização de escravos sempre foi vista como a mais viável alternativa para que os dispendiosos empreendimentos de exploração tivessem a devida funcionalidade.
Inicialmente, os portugueses almejaram utilizar da força de trabalho dos nativos para que a exploração econômica fosse concretizada. No entanto, a mão-de-obra indígena foi refutada mediante a dificuldade de controle sobre populações que ofereciam maior resistência e também por despertar o interesse da Igreja em utilizá-los como novos convertidos ao cristianismo católico. Ainda assim, as regiões mais pobres, em que a força de trabalho era mais escassa, os índios ainda foram utilizados como escravos.
Para contornar a crescente demanda por força de trabalho, Portugal resolveu então investir no tráfico de escravos vindos diretamente da Costa Africana. Tal opção se tornava viável por vários motivos destaco dois: o domínio que Portugal já possuía em regiões da África e as possibilidades de lucro que a venda desses escravos poderiam trazer aos cofres da Coroa Portuguesa. Além disso, havia o apoio da própria Igreja Católica.

amanda.goncalves1105@hotmail.com disse...

2° ano B
Alunos: Amanda, Doriclea, Tchamara, Robson, Valéria e Wilker

Econômia acçucareira
- A concentração de terra no Brasil vem desde o período colonail, quando os representantes do governo português favoreciam poucas pessoas, concedendo-lhes grandes áreas rurais destinadas á construção de engenhos, fazendas de gado ou outros estabelecimentos.
- Para garantir a posse da terra, Portugal decidiu colonizar o Brasil. Mas, para isso, ele precisavam desenvolver uma atividade econômicae lucrativa. A solução foi implantar a produção açucareira, pois o açucar era um produto amplamente consumido na Euroupa.
- Casa-grande: casarão térreo ou um sobrado, onde moravam o senhor do engenho e sua família.
- Senzala: construção rústica onde habitavam os escravos africanos e seu descendentes.

juliane disse...

Aluna:Juliane Beltrão Ortiz Redes
Série: ano B
Tema:Consciência negra

Consciência negra

Um dos personagens do dia da consciência negra foi Zumbi dos Palmares,ele foi um símbolo de resistência contra a escravidão.
Foi morto no dia 20 de novembro que hoje é lembrado pelo dia da consciência negra.
Do passado até os dias de hoje o movimento negro tem feito algumas conquistas sociais.Entre elas foi o reconhecimento feito pela atual constituição brasileira do direito dos descendentes de quilombolas às terras dos quilombos.